Transferência de tecnologia entre Brasil e Suécia é discutida

A primeira Semana de Inovação do Brasil na Suécia contou com um grupo de representantes do governo brasileiro. O principal objetivo do encontro foi a discussão da criação de mecanismos inovadores que estimulam a transmissão de tecnologias entre os dois países.

Um dos integrantes da equipe brasileira foi Jorge Arbache, secretário de Assuntos Internacionais do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. O secretário disse que o mais importante nessa parceria, será os ganhos que o Brasil terá nos campos de tecnologia e inovação. “O Brasil utilizará a tecnologia que está no Gripen, adapta para outros usos, com isso, aplicará a tecnologia para a agricultura, para vários segmentos da indústria manufatureira, setores de serviços e, assim, conseguirá mais competitividade na economia”, ressalta.

O secretário discutiu com o vice-ministro da Empresa Inovação, Niklas Johansson e outros interlocutores suecos, algumas propostas na construção de softwares e mecanismos tecnológicos. O secretário da Seain apresentou as propostas formalmente na Reunião do Grupo de Inovação Industrial Brasil-Suécia, onde serão traçadas as diretrizes. A preparação, planejamento e organização do projeto-piloto com a Suécia, será composto por autoridades brasileiras do BNDES, Finep e Apex Brasil.

O secretário e autoridades brasileiras visitaram a sede da SAAB, uma empresa sueca na cidade de Linköping, onde conheceram o primeiro caça brasileiro em produção. O governo brasileiro contratou a empresa para fabricar o avião utilizado pela Força Aérea Brasileira em parceria com empresas no Brasil. O SAAB 6001 é o primeiro caça a ficar pronto, dos 36 que foram comprados pela Força Aérea. Uma boa parte dos aviões será desenvolvida em conjunto com a Embraer, que já participa ativamente do projeto de transferência de tecnologias entre os dois países. Há previsão de que 8 caças monopostos e 7 caças bipostos sejam construídos no Brasil.

A Embaixada da Suécia informou que atualmente são 220 empresas suecas no Brasil, e a maioria fica situada em São Paulo, que é considerada a segunda maior cidade industrial da Suécia. Essas indústrias empregam sessenta mil pessoas aproximadamente, e movimenta 30 bilhões de coroas suecas por ano, o que representa 11 bilhões de reais. O Brasil é o terceiro país latino-americano mais importante para a indústria sueca e também o maior mercado para suas exportações na região.