Segregação racial está gerando custos aos Estados Unidos

Resultado de imagem para segregação racial

A segregação racial e econômica custa anualmente bilhões de dólares ao país, de acordo com um novo estudo do Metropolitan Planning Council e do Urban Institute. Analisando dados de 100 cidades metropolitanas, incluindo Chicago, Filadélfia, Atlanta, Dallas e Nova York de 1990 a 2010, o relatório descobriu que a segregação racial afeta negros mais economicamente e resulta em uma maior taxa de homicídios entre os negros.

Enquanto a segregação racial negra-branca diminuiu ao longo dos anos, a segregação latino-branca aumentou. A segregação latino-branca também resultou em uma expectativa de vida menor para todos.

Analisando profundamente Chicago, o estudo classifica-a como a quinta cidade metropolitana mais segregada do país. Greg Acs, diretor do Centro de Política de Renda e Benefícios do Urban Institute e co-autor do estudo, diz que o estudo é crucial para melhorar o bem-estar da cidade.

“Nosso estudo documenta as relações entre segregação e os rendimentos, educação e segurança dos residentes de uma região metropolitana”, disse Acs. “Nossos resultados sugerem que os esforços para reduzir a segregação econômica e racial poderia trazer benefícios em todas as áreas metropolitanas. Dados os altos níveis de segregação em Chicago, os ganhos potenciais da região de reduzir a segregação são substanciais”.

As pessoas negras ganhariam cerca de US $ 3.000 a mais por ano, se essa questão fosse levada mais na ponta do lápis e o governo repensasse quanto deixa de ganhar. As taxas de homicídio seriam 30% mais baixas. (De fato, se os lucros de Chicago estivessem no nível mediano nacional, 229 vidas seriam poupadas em 2016) 83.000 pessoas teriam bacharelado, e fora desse número 78% são brancos e 22% são negros.

A segregação racial e econômica em Chicago diminuiu, caindo 10% entre 1990 e 2010, mas para atingir o nível médio nacional precisaria diminuir a segregação em 19% economicamente, 28% entre latinos-brancos e 36% entre negros-brancos.

Se a cidade continuar a desagregação à taxa atual, ela não atingiria o nível médio nacional de segregação entre negros e brancos até 2070.

Esta é uma questão que vai determinar que tipo de sociedade vamos ter em Chicago e um bom exemplo de caso que se você não fizer qualquer coisa que você vai ter grandes problemas, não apenas para negros e latinos, mas para todos.

Chicago enfrentou um dos anos “mais sangrentos” em 2016, com 762 assassinatos naquele ano. O presidente Trump, que repetidamente pediu “lei e ordem”, ameaçou em janeiro “enviar os federais” se a cidade não “corrigir a horrível carnificina que estava acontecendo”, referindo-se ao crime pesado e tiroteios mortíferos.

“É um fracasso total, precisamos pensar em maneiras diferentes de trabalhar nisso”, diz Orfield. “Agir firme e colocar as pessoas na cadeia por um longo tempo, pode ser uma alternativa para começar a mudar as estatísticas.”