Pesquisa revela a existência de pesticidas na maioria das amostras de mel vindas de quase todo o mundo

Um estudo de vários tipos de mel vindos de toda parte do mundo, mostraram a existência de vestígios de praguicidas em grande parte dessas amostras. A quantidade encontrada é bem menor do que é permitido pela União Europeia para a ingestão humana, mas a fração encontrada poderia fazer mal as abelhas.

Diversos voluntários ajudaram um grupo de pesquisadores, que juntaram quase duzentos tipos de mel vindos de todos os continentes, sendo que o grupo fez um estudo para tentar encontrar cinco dos mais importantes neonicotinoides.

Os pesticidas sistêmicos originários da nicotina, são frequentemente colocados em sementes e se alastram pela planta inteira conforme elas vão crescendo, abrangendo os frutos e as flores. Atuam no sistema nervoso e primeiramente atingem os animais invertebrados, que se nutrem dessas plantas onde foram usados os pesticidas, que são inofensivos para os seres humanos e outros animais vertebrados.

As conclusões desse estudo foram publicadas na revista Science, mostram que cerca de 75% de todo o mel estudado, possuíam vestígios de no mínimo um neonicotinoide. Quase a metade dos que apresentaram essa substância, continham dois ou mais tipos de neonicotinoide. Em 10% deles, foram encontrados resíduos de quatro ou cinco pesticidas. As regiões onde foram encontradas as maiores incidências dos tipos de mel com esses resíduos, foram na América do Norte com 86%, seguido da Ásia com 80%, da Europa com 79%, da Oceania com 64% e da América do Sul com 57%.

Segundo o biólogo suíço Edward Mitchell, da Universidade de Neuchâtel e autor do estudo, eles acreditavam que iriam encontrar muitos tipos de mel com pesticidas, mas não uma porcentagem tão alta como 75%. Grande parte dessas amostras são provenientes de regiões remotas ou de áreas em grande parte naturais, o que faz com que as conclusões dessa pesquisa, sejam ainda mais perturbadoras. Um agravante nesses resultados, são o fato de que 45% das amostras, revelaram a presença de mais de um tipo de neonicotinoide, o que é um fato alarmante, já que ainda não existem estudos mais profundos sobre esse coquetel de pesticidas. Foram analisados somente cinco dos quinhentos existentes.

Mas essa quantidade encontrada de pesticidas,  podem estar atingindo as abelhas.  O estudo mais recente identifica que essa espécie também está desprotegida em relação a esses pesticidas, consumindo eles juntamente com o mel.