Perigo do dióxido de titânio presente nas guloseimas das crianças

Não é de hoje que seu consumo é extremamente comentado pelos especialistas, principalmente a equipe odontológica. As guloseimas, doces, balas, gomas de mascar, entre outros doces industrializados, deixaram de ser criticados apenas pelos altos níveis de açúcar, e passaram a ser também mal vistos por conter um aditivo alimentar que é capaz de modificar o funcionamento e a estrutura das células digestivas.

A afirmação veio de um estudo realizado pela Universidade de Binghamton e pela Universidade Estadual de Nova York. As duas instituições confirmaram que o aditivo alimentar usado na fabricação desses doces são totalmente prejudiciais ao aparelho digestivo. Sua principal alteração acontece nas células que compõe o intestino delgado, que inibe a absorção dos nutrientes e quebra as barreiras do órgão que evita diversos tipos de doenças. A alimentação voltada para esses tipos de produtos que contém o dióxido de titânio, é a principal causa de doenças do trato digestivo. A substância é facilmente encontrada em goma de mascar, balas, doces e até mesmo no pão, por isso é tão importante saber o que se está consumindo.

O estudo contou com diversos testes em laboratório, um deles foi feito com a exposição de diferentes células presentes no intestino delgado por um período de tempo equivalente ao que levamos para digerir a comida, uma média de 4 horas. Essa exposição foi classificada como aguda, e uma outra exposição com um período equivalente a três refeições dentro de cinco dias foi classificada como crônica.

As exposições que foram classificadas como agudas não apresentaram tantas diferença, porém as que foram classificadas como crônica mostraram resultados surpreendentes e alarmantes. Na exposição crônica, as células intestinais microvilosidades sofreram alteração na capacidade de absorver nutrientes como, o ferro, zinco e ácidos graxos, a níveis significativos. Outra característica é que o metabolismo de quem consome esse tipo de produto fica muito mais lento dificultando a absorção de diversos nutrientes. Com esse resultado, também foi possível observar que as funções enzimáticas tiveram um impacto negativo aumentando assim as inflamações do trato digestivo.

Gretchen Mahler que é um dos autores do relatório publicado, disse: “O óxido de titânio é um aditivo alimentar comum que as pessoas têm comido muito por um longo tempo. Não se preocupe, isso não vai matá-lo!. Mas estávamos interessados em alguns dos efeitos sutis, e achamos que as pessoas devem saber sobre eles“. A afirmação do estudioso é simples, a substância não causa uma morte imediata, no entanto, o consumo desses produtos industrializados acarreta em diversas doenças que irão aparecer na idade avançada.

A organização Food and Drug Administration residida nos Estados Unidos, afirmou que o uso do dióxido de titânio é comum e é usado abundantemente em quase todos os produtos industrializados. Essa substância não é solúvel em água, nem faz parte da digestão humana, sendo que uma de suas utilidades é na pigmentação de tintas na cor branca, no papel e em plásticos. Ou seja, uma substância que não deveria estar embutida em nenhum alimento.