MoMA receberá exposição sobre Tarsila do Amaral no ano de 2018

Resultado de imagem para Tarsila do Amaral no ano de 2018

O Museu de Arte Moderna de Nova York (MoMA) divulgou recentemente que irá receber a primeira exposição já feita na América do Norte sobre as obras de arte da artista brasileira Tarsila do Amaral. A previsão é de que a mostra seja inaugurada no mês de fevereiro de 2018.

A exposição, que irá se chamar “Tarsila do Amaral: Inventando a Arte Moderna no Brasil”, deverá exibir cerca de 130 obras feitas por ela a partir da década de 1920, incluindo fotografias, desenhos e pinturas que fazem parte de coleções que vieram da Europa, dos Estados Unidos e da América do Sul.

Antes de chegar ao Museu de Arte Moderna, em que irá ficar entre os meses de fevereiro e junho de 2018, a exposição ainda poderá ser encontrada por alguns meses no Instituto de Arte de Chicago, o qual foi um dos principais responsáveis pela idealização da mostra.

Natural da cidade de São Paulo, Tarsila do Amaral nasceu no ano de 1886 e é reconhecida nos dias de hoje como  um dos maiores ícones da arte moderna na América Latina,  além de uma das responsáveis por impulsionar o movimento modernista no país, em conjunto com outros grandes nomes como Carlos Drummond de Andrade, Oswald de Andrade e Cecília Meireles.

O estilo único da artista teve uma clara influência do tempo em que ela morou em Paris nos anos 20, período em que desenvolveu uma técnica muito característica com o uso de um traçado sintético e formatos sensuais para retratar paisagens com uma variada cartela de cores.

No ano de 1928, Tarsila do Amaral fez o quadro “Abaporu”, uma imagem humana alongada próxima de um cacto, o qual logo se tornou um dos grandes representantes do movimento modernista no Brasil.

A mostra da artista no MoMA irá incluir obras feitas durante o período em que Tarsila do Amaral esteve em Paris e também pinturas de quando ela voltou ao Brasil, já na década de 30. Entre os quadros mais famosos da exposição, estarão os itens “A Negra”, de 1923, “Abaporu”, de 1928″ e ainda “Antropofagia” de 1929.