Mais de 600 municípios em Minas tem o queijo artesanal como fonte de renda

O queijo minas tipo artesanal ganhou o registro de patrimônio cultural imaterial brasileiro, pelo Instituto Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN. Esse resultado é devido a um reconhecimento internacional que coleciona prêmios. A renda de mais de 600 municípios que vivem dessa produção é reforçada.

O sucesso vem de elementos como o sabor e a qualidade, e apesar de sua produção ser artesanal, é seguido especificações sanitárias em sua produção. A lei estadual 20549/2012 de Minas Gerais considera os cuidados com a saúde dos animais que produzem o leite e os trabalhadores que o transformam em queijo. O técnico Odair José, da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural, a Emater-MG, reforça que todos os animais são examinados pelos veterinários credenciados e se acaso houver algum contaminado, ele é automaticamente excluído do rebanho. O técnico comemora a conquista do queijo minas artesanal que chega cada vez mais aos restaurantes no país inteiro.

Outras orientações da lei são sobre a utilização de equipamentos individuais de produção, tais como toucas, botas e aventais, que são cuidados necessários para a saúde do trabalhador e a garantia que o produto não sofra nenhuma contaminação antes e após ser produzido.

O queijo possui um processo bem longo na sua produção, e o principal desafio dos produtores é a industrialização dos alimentos. O grau de aprimoramento vem crescendo cada vez mais na produção artesanal, e sua comercialização é feita em feiras de produtores regionais e até nos locais onde eles são fabricados. Existem alguns que são comercializados internacionalmente, como o de Tiradentes em Minas Gerais que é feito de leite cru, típico na região do Campo das Vertentes que ganhou no Concurso Estadual do Queijo Minas artesanal 2016 e 2017 pela segunda vez.

O Concurso realizado pela Emater e com o apoio da prefeitura junto a Secretaria de Agropecuária, Abastecimento e Distritos ocorreu em setembro em Uberlândia, Minas Gerais. Foram 8 produtores do Triângulo Mineiro que concorreram ao prêmio e só de Uberlândia foram 3.

Os ganhadores do concurso das 7 regiões que produzem o queijo Minas são Araxá, Campo das Vertentes, Canastra, Cerrado, Serra do Salitre, Serro e Triângulo que participarão da disputa em 2018.