Homem aranha africano salva criança. O pai jogava “Pokemon Go” no momento do ocorrido!

Um homem de Mali, o sétimo maior país da África, se tornou herói na capital francesa.

Conhecido por Mamoudou Gassama, o africano estava andando pelas ruas de Paris, no fim

de maio de 2018, buscando um local em que pudesse parar para assistir a final da “Champions League”, campeonato de futebol envolvendo grandes times europeus, quando foi surpreendido com uma criança de 4 anos de idade pendurada na varanda de um apartamento.

Conforme vídeo gravado por testemunhas, o imigrante não pensou duas vezes. Ao som vibrante das pessoas que pararam aflitas, sem saber o que fazer para salvar a criança, Mamoudou escalou 4 andares, sem nenhum tipo de equipamento de proteção, de forma muito semelhante ao personagem “Homem Aranha”, seu novo apelido popular, e salvou a criança.

Há notícias de que a mãe estaria fora da cidade e o pai não estava em casa no momento do ocorrido. Por sorte, o homem aranha africano, sim, estava próximo e, conforme afirmou à imprensa local, estava com medo e tremia muito após salvar o menino. Mal conseguia ficar em pé.

O representante do corpo de bombeiros, que só chegou ao local após o salvamento, respirou aliviado por ter alguém por perto com coragem e preparado fisicamente para tal desafio.

A história de Gassama, jovem de 22 anos que havia chegado de Mali buscando construir sua vida na cidade da luz, mudou naquele instante, pois conseguiu adquirir a cidadania francesa e passou a integrar o corpo de bombeiros da região. Ganhou notoriedade do mundo inteiro e um certificado de honra das mãos do presidente francês Emmanuel Macron.

O pai do menino justificou à polícia que deixou a criança sozinha para ir ao mercado e acabou demorando pois estava jogando “Pokemon Go” e terá que comparecer ao tribunal de Paris para responder por “negligência de um responsável em relação às suas obrigações legais”, podendo vir a ser condenado a até 2 anos de prisão. Quanto ao garoto, há notícias de que passa bem e continua sob a custódia do pai.