Como tratar a bursite?

A bursite nada mais é do que a inflamação da bursa, nomeada também de bolsa sinovial. A bursa é um saco membranoso revestido de líquido e serve de amortecedor de atrito entre músculos e articulações. No total, o corpo humano possui 160 bursas, distribuídas ao longo de todo o corpo como, por exemplo: nos joelhos, nos calcanhares, nos ombros, nos cotovelos, nos quadris e nas nádegas.

As bursas tem a função de lubrificar as articulações e assim reduzem a fricção ao movimentar estas regiões. A bursite se dá quando este líquido se acumula e engrossa, o que faz com que o corpo, em simples ações, sinta um grande impacta e consequentemente cause dor. A doença costuma acontecer pelo uso excessivo de uma articulação, lesões e até mesmo estresse.

Ao todo, existem dois tipos de bursites, os inflamatórios e os distúrbios hemorrágicos. O primeiro tipo, os inflamatórios, ainda tem uma subdivisão: as feridas infectadas, as causadas por alguma química e as ocasionadas por atrito, advindas muitas vezes pelo uso excessivo da região em questão. E o segundo caso, o dos distúrbios hemorrágicos, são ocasionados por algum tipo de lesão ou trauma, que causam uma hemorragia diretamente na bursa.

As bursites ainda podem ser classificadas e tratadas de acordo com a localização corporal, ou seja, se a bursite está no ombro, no cotovelo, nas coxas, nas nádegas, no quadril, nos tornozelos, nos calcanhares e no joelho.

O surgimento desta inflamação não costuma ter uma causa clara e lógica, mas normalmente, tem como início alguma lesão ou infecção. As lesões, como citado anteriormente, são causadas pelo uso repetitivo de determinado músculo. Os inchaços da bursite também podem surgir advindos da gota, da artrite reumatoide, do Lúpus, da artrite psoriática, da esclerodermia, da escoliose e da polimialgia reumática. Infecções e doenças que afetam o sistema imunológico, como o câncer e o HIV, também auxiliam no desenvolvimento da bursite.

As pessoas que estão mais propicias a desenvolver uma inflamação como está são: pessoas acima dos 40 anos; que praticam movimentos repetitivos demasiadamente, como músicos, atletas e pintores; além de portadores da gota e da diabetes.

No início da doença, a pessoa costuma sentir dor, rigidez, dificuldade de mover a região, inchaço, região avermelhada e febre. A dor costuma aumentar cada vez mais enquanto não tratada.

O diagnóstico pode ser feito através de exames físicos, laboratoriais e de imagem, já os tratamentos para essa inflamação vão desde os caseiros aos profissionais. Bolsas de gelo; aquecer o local para aumentar a circulação; proteger o local com joelheiras e cotoveleiras; aumentar o consumo de alimentos com propriedades anti-inflamatórias, como frutas vermelhas e frutas cítricas. O descanso e o alongamento também auxiliam na melhora da bursite, além de fisioterapias,ondas de choque, acupuntura, e em casos mais graves, a cirurgia.

A prevenção pode ser feita evitando realizar atividades repetitivas sem proteção; evitar estes movimentos por um período muito extenso; manter uma boa postura; realizar exercícios sempre com um profissional e procurar um médico aos primeiros sinais de dor, para assim, manter sua saúde da melhor maneira possível.