Bradesco dá início à processo sucessório envolvendo Trabuco

O mês de Outubro de 2017 foi marcado por anúncios provenientes do banco Bradesco. Tais informações foram divulgadas através de uma coletiva de imprensa que os gestores da instituição resolveram convocar para esclarecer ao público algumas alterações que ocorreram no quadro de executivos, além de outras que ainda irão se concretizar. A principal novidade diz respeito ao fato de Luiz Carlos Trabuco Cappi ser sucedido por um profissional que já trabalhe na instituição, refutando a hipótese de se buscar alguém no ambiente externo à organização.

Adotada há tempos dentro do cultura do banco, a política de sucessões é algo que tem sido seguido por muitas gerações de executivos da corporação. O principal ponto dessa tradição refere-se ao modo de escolha dos colaboradores que passarão a ocupar postos ligados à direção ou à presidência do grupo, onde costuma-se dar oportunidade a quem já esteja há mais tempo trabalhando na companhia, assim como ocorreu com Luiz Carlos Trabuco Cappi, que está na empresa há mais de quatro décadas e foi galgando postos até chegar a ser o presidente da instituição.

Luiz Carlos Trabuco Cappi preside a organização desde o ano de 2009 e recentemente passou a ser também o presidente do conselho administrativo da empresa. Tal situação decorre do fato do executivo Lázaro Brandão ter anunciado que deixaria o departamento que durante duas décadas liderou. Com isso, o presidente executivo recebeu a informação que atuará de maneira permanente no lugar de seu colega, ao passo que seu cargo será assumido por um outro profissional.

As dimensões da organização exercerá grande influência no que diz respeito ao executivo que será promovido a presidente da companhia, segundo informou Luiz Carlos Trabuco Cappi em um dos momentos da entrevista coletiva. Para ele, o mais importante é que o profissional eleito seja alguém que consiga conduzir as peculiaridades da empresa mantendo sempre a consciência de que se trata-se de uma instituição estruturada de modo bastante complexo e dinâmico.

Há a previsão por parte dos representantes do banco de que em março de 2018 já se tenha esclarecido quem será o gestor a ocupar a presidência. Até lá, entretanto, o atual presidente executivo também terá a missão de presidir o conselho de administração da companhia. Para o Bradesco, contudo, a situação tem caráter transitório, pois conforme estabelece a política do banco, um mesmo executivo não deverá ter entre suas responsabilidades dois ou mais cargos.

O executivo, que será sucedido até 2018, explicou que após os trâmites do processo sucessório terem chegado ao final, sua atuação se concentrará somente nas atividades inerentes ao cargo de presidente do conselho de administração. Ainda durante a entrevista, ele ressaltou que os bancos brasileiros valorizam os momentos de sucessão e respeitam o legado que cada um já conquistou.

Março não foi escolhido por acaso, alertou Luiz Carlos Trabuco Cappi. Segundo o executivo, além do anúncio de quem passará a comandar a instituição, o mês será também a época em que a reunião de assembléia do conselho administrativo ocorrerá. Na ocasião, acionistas da empresa se reunirão para debaterem e estabelecerem os rumos que a organização tomará futuramente.