Brasil entre os países com maior índice de doenças psicológicas

O transtorno de ansiedade e a depressão são duas das doenças psicológicas mais comuns ao redor do mundo. É dito pela OMS que 33% da população mundial apresenta algum grau de transtorno de ansiedade enquanto a depressão afeta aproximadamente 4,4% da população.

Os relatórios da OMS indicam ainda que o Brasil é o pais com o maior índice de transtorno de ansiedade no planeta, chegando a atingir 9,3% da população, ou seja, 18,6 milhões de pessoas ao todo. Em relação à depressão, o país tem o maior índice da América Latina.

Apesar desses números altamente relevantes, essas doenças têm muito pouca atenção dos governos e da mídia, por essa razão escolheu a depressão para marcar o dia mundial da saúde deste ano.

Homens e mulheres

No cenário mundial entre as pessoas que sofrem de depressão, a maioria delas é do sexo feminino, são 5,1% dos casos, a porcentagem de homens afetados é de 3,6%. A ansiedade também aparece afetar mais as mulheres que os homens, sendo dito ser duas vezes mais comum afetá-las, sendo aproximadamente 42% dos casos totais de ansiedade.

Aumento gigantesco nos últimos anos

Na última quinta-feira (23) a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou dados que apresentam um aumento de quase 20% no número de casos de depressão se comparado a dez anos atrás; em valores mais específicos seriam 322 milhões de pessoas ao redor do mundo (4,4% da população), os números dos casos de transtorno de ansiedade também não ficam atrás.

O mal do século

Muito é dito que as doenças psicológicas são o mal do século, atingindo um número absurdo da população mundial e com previsões de aumento caso os governos e população não se conscientizem de forma correta. As doenças psicológicas se comparadas a outros tipos de doenças são muito pouco comentadas ou trabalhadas a forma de busca de prevenção ou tratamento. No entanto, tem-se notado a importância de debater esse assunto ao passo que o número de suicídios tem aumentado ao mesmo passo que as doenças psicológicas.

Apenas em 2015 foram 790 mil suicídios ocorridos, sendo 1,5% de todas as mortes do mundo, sendo que boa parte desse número espantoso são derivados de doenças psicológicas. O suicídio é uma das 20 maiores causas de morte ocorridas no mundo naquele ano.

Apple vai gastar 5 bilhões no último projeto de Steve Jobs

Uma das maiores empresas de software e tecnologia do mundo, a Apple decidiu investir mais de 5 bilhões de dólares no que seria o último projeto de Steve Jobs. Uma nova sede gigantesca na Califórnia.

O co-fundador da empresa havia aprovado o projeto de construir em Cupertino, na California (EUA) uma nova sede para a Apple. O projeto tinha a previsão de entrega para 2015, mas só vai conseguir ser aberta este ano. A finalização da obra não será apenas uma homenagem a Steve Jobs, com riqueza de detalhes e um aspecto mais futurista, a nova sede é um tributo por todas as realizações de Steve para com a empresa.

O trabalho de lidar com uma obra tão grandiosa é extremamente complicado. O projeto saiu do papel em 2011 e seria finalizado em 4 anos, porém a burocracia e o processo de aprovação da parte do município atrasaram muito várias etapas da construção.

Especialistas em arquitetura questionam o valor gasto no projeto tentando entender em que quesitos a Apple decidiu gastar o seu dinheiro. Como representantes da empresa afirmavam que o projeto seria uma repartição de escritórios mais moderno (futurista) com ambientes mais amplos e mais tecnológicos, alguns interessados se perguntam onde exatamente estaria investido o quesito novidade.

A diretora do departamento de Paisagismo e Planejamento Ambiental da Berkeley nos Estados Unidos, afirmou em entrevista que não acredita que a Apple tenha algum interesse em inovar no setor de arquitetura, ou criar um modelo novo de escritórios. Ela afirma que a empresa procura criar um ícone, uma representação física da importância da empresa no mundo, assim como a Google, ou o empresário Trump com a Trump Tower.

Steve Jobs foi o co-fundador da Apple nos anos 70 junto com Steve Wozniak. Steve faleceu em 2011 de câncer no pâncreas depois de 7 anos de luta.

Em 2015 foi lançado o filme biográfico de Steve Jobs. A obra estrelada por Michael Fassbender conta parte de sua história profissional, sua relação com os funcionários da Apple e Steve Wozniak.

 

 

Sergio Cortes noticia sobre campanha do Into contra quedas

Através do slogan ‘Quedas: Todo o Cuidado é Pouco’, o Into (Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia) organizou uma campanha muito importante para mobilizar os brasileiros sobre os grandes riscos das quedas. Segundo uma pesquisa levantada pelo Instituto durante um período de nove meses, cerca de 65% dos pacientes internados com quadros de fraturas tiveram problemas provenientes de quedas, noticia o ortopedista Sergio Cortes.

Uma equipe de especialistas do Into foi designada para esclarecer ao público quais as principais causas das quedas, e estão foram responsáveis por distribuir folders entre as pessoas que circulam no prédio, com informações sobre como preveni-las. Além disso, existe uma orientação ao corpo de funcionários do Into para que eles conscientizem e informem os pacientes que estão internados sobre como estes devem agir para evitar futuras quedas.

A ideia para o desenvolvimento dessa campanha surgiu em virtude de pesquisa que o Into levantou entre os seus pacientes internados por fratura, durante o período de janeiro a setembro de 2013. Entre os 1.034 pacientes consultados, 672 foram levados ao Into porque tinham sofrido algum tipo de queda, noticia Sergio Cortes. Cerca de 55% desse total tiverem essa queda dentro de sua própria residência e em relação a idade e ao gênero, 53,5% tinham idade superior a 60 anos e 63,5% eram mulheres.

De acordo com João Matheus Guimarães, diretor do Into, essa mobilização visa alcançar a todos os públicos, apesar desse ser um problema de saúde pública que atinge principalmente os idosos com idade superior a 60 anos. Ele alertou ainda que a intenção da campanha não é desmotivar os idosos a se locomover e praticarem exercícios físicos, mas que é essencial que eles estejam sempre atentos a tudo ao redor que possa provocar quedas, destaca Sergio Cortes.

Segundo estimativas divulgadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS), mais de 400 mil pessoas morrem todo ano no mundo em função das quedas, sendo que 80% destes óbitos acontecem em países que possuem baixa e média renda. Além disso, esses dados citam, ainda que 30% a 60% das pessoas com idade superior a 65 anos caem anualmente e desse total de quedas, 40% a 60% dos casos provocam alguma lesão, informa Sergio Cortes.

Desde o ano de 2009, o Into utiliza um protocolo no momento de entrada do paciente na internação que informa quais são os seus riscos de queda. Os pacientes que apresentam o maior risco são aqueles com idade acima de 60 anos ou menores de 5 anos, que apresentem algum quadro de distúrbios neurológico, que possuam histórico de amputações ou que tenham alguma dificuldade ou deformidade dos membros inferiores que prejudiquem a capacidade de locomoção, noticia o ortopedista Sergio Cortes.

O coordenador do Into, Naasson Cavanellas, destacou que nos dias de hoje, muito tem se falado sobre a melhoria da qualidade de vida e, no caso dos idosos, é necessário a prevenção dos acidentes e das quedas para que isso seja possível, tendo em vista que as quedas podem causar danos graves a capacidade de locomoção e prejudicar bastante a qualidade de vida dessas pessoas.